‘Começou a cair uma tempestade forte, vento, raios e trovões, parecia cena de filme’

Surfista de ondas grandes Caio Vaz nada por mais de uma hora no escuro, depois de ser surpreendido por tempestade, na região da Ilha das Cagarras, Rio

Finalista do Big Wave Awards (WSL) e bicampeão mundial de stand up, Caio Vaz conta como ele e mais dois amigos se salvaram no episódio.


Confira relato do surfista

A ideia era pescar numa laje próxima à Ilha Cagarras, estava ventando, mas o tempo tranquilo. Quando fomos voltar pro barco, o mar estava balançando e não o achamos. Subimos na laje e começou a cair uma tempestade forte, vento apertou, raios e trovões bizarros, que parecia até cena de filme. A gente em cima de uma pedra, tentando avistar o barco e os raios atrás. Cena tenebrosa.

Ficamos num lugar mais abrigado, onde não batia onda, e quando a chuva passou, já quase escuro, dava para ver as luzes de Ipanema e decidimos nadar. Era uma distância de uns quatro quilômetros e conheço a minha capacidade, o Nuno também é surfista e pescador ‘casca grossa’ e o Arthur oceanógrafo. Todos estavam na disposição e sabíamos que conseguiríamos.

Começamos a nadar, estávamos preocupados em manter um perto do outro, a gente estava dando a mão, batendo o pé, de snorkel, olhando para frente e fundo do mar. Tinha muitos plânctons na água, brilhando. Estava irado.

Em momento algum deu pânico, ninguém surtou. Sabíamos que esse tipo de sentimento ou atitude não levaria a lugar algum, então fomos cantando, falando, mas sempre bem ligados, para tomar a decisão certa.

O resgate

Começamos a jogar água para o alto, o barco estava com a luz de proa apontada para frente, nos avistou e parou, por volta das 20h30. Então, nos deram uma carona até Ipanema e chegamos em terra depois de duas horas e dez minutos.

Então, irmã do Nuno teve a brilhante ideia de procurar pelo aplicativo ‘buscar Iphone’. O barco estava próximo a ilha de Palmas, também no arquipélago. Encontramos o Felipe Coutinho, outro pescador e saímos com ele na chuva e achamos o ‘Val de Mar’ (embarcação) perto da meia-noite. Estava exatamente onde estava marcando no Iphone.

Por fim deu tudo muito certo. Claro que várias coisas poderiam ter acontecido e complicado muito nossa situação, mas acredito em energia. Caíram vários raios em cima da gente e não aconteceu nada. Chegamos bem. Ficamos felizes da vida em chegar bem, uma sensação de alívio muito grande. História para contar. Se tivesse que nadar por mais dois quilômetros, disposição não ia faltar.

Autor: origemsurf

Compartilhe esse Post

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *