8 dicas para curtir a ‘surftrip’ grávida

O sonho de 9 em cada 10 surfistas é viver viajando atrás de boas ondas. Sem dúvida, viajar é desejo não só de quem pega onda, mas da maioria das pessoas.

por Janaína Pedroso

Afinal, é durante uma boa viagem que se descansa, conhece melhor uma nova língua, cultura, etc. É viajando que se descobrem novos sabores, temperos, maneiras de se preparar um prato.

Ou seja, para descansar ou se acabar de surfar, desfrutar de novos destinos por esse mundão à fora é coisa boa, que alimenta a alma. 

Viagem de surfe

Há inúmeras maneiras para aproveitar as férias, ou até mesmo uma viagem a trabalho. Porém, no caso da surftrip a regra básica é ter onda, muita onda! O pesadelo de qualquer surfista que viaja em busca de ação é encontrar o temido flat! Acontece, claro. Contudo, há maneiras de se evitar essa catástrofe!

Mas, além de ir na época certa, fazer uma boa pesquisa sobre o lugar, contar com uma agência de viagem confiável, há outras dicas, especialmente, para nós mulheres!

Surfar grávida é especial.

Aliás, o número de mulheres surfistas e praticantes de outros esportes de pranchas como o sup, kite, wind, etc. tem crescido bastante. E mesmo estando grávida, é possível aproveitar uma boa surftrip!

Então, vamos às dicas:

  1. Viagem com segurança. Para isso, planeje sua surftrip antes das 27 semanas de gestação. Depois disso, apenas com um bom ‘aval médico’, e olhe lá…
  2. Comunique sua gravidez a todos! Deixe os sete cantos do mundo saber que você, neste momento, é um ser mágico, especial, e portanto, merece toda a atenção do mundo!
  3. Sinta-se segura ao surfar e reconheça seus limites. Essa dica é para a vida, mas durante uma gestação é ainda mais valiosa.
  4. Viaje com um bom seguro saúde, que tenha cobertura inclusive para gestantes! 
  5. Adapte seu equipamento, talvez seja a hora de apostar em uma prancha com mais flutuação, bico redondo, etc.
  6. Beba muita água e alimente-se bem! Afinal de contas, surfar exige muito do nosso corpo, e agora você não está sozinha!
  7. Procure por destinos que ofereçam uma boa estrutura. No meu caso, a República Dominicana foi perfeita, pois o voo não é tão longo, e há toda a infraestrutura necessária. Além disso, o destino oferece inúmeras opções de passeios: culturais, históricos, compras e muitas ondas!
  8. Curta cada momento dessa viagem, certamente seu bebê está sentindo a experiência com você!

A jornalista realizou a surftrip a convite do Escritório de Turismo da República Dominicana, para a cobertura do evento ‘Master of the Ocean’, em Cabarete.

Autor: origemsurf

Compartilhe esse Post

2 Comentários

  1. Janaina, uma dica que vem se mostrando valiosa ao longo destes anos de Medicina do Surfe, é viajar com um kit de medicamentos que foi montado junto com seu médico, e que você possa acionar quando necessário, além de manter suas vacinas em dia.
    Na maioria das vezes há restrição a compra de medicamentos, mesmo a falta de assistência médica próxima a você, ou suas próprias restrições a determinados medicamentos.
    No SID – Surf Injury Data, um aplicativo de Medicina do Surfe, você pode consultar gratuitamente quais os problemas mais recorrentes do pico que você vai surfar e se preparar para evita-los ou minimizar o risco.

    Poste um comentário
    • Tem toda razão, esqueci dessa dica preciosa. Levei paracetamol nesta viagem por precaução 😉

      Poste um comentário

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *