Muito prazer leitores e leitoras do principal jornal do País. A partir de hoje, o OrigemSurf passa a fazer parte da equipe de blogs e sites parceiros da Folha.

Por Janaína Pedroso

Eu me chamo Janaína Pedroso, sou jornalista, estou prestes a fazer 35 e surfo desde os 15. Ao lado do meu marido, que na época ainda era namorado, criamos o blog para falar sobre uma das coisas que mais amamos fazer: surfar!

Filipe teve seu primeiro contato com o esporte aos cinco anos. Arquiteto por formação, ele ama a fotografia e sempre decide ao final de cada publicação, qual a melhor imagem para ilustrar minhas palavras.

Eu enfrentava a fase mais difícil da minha existência. Um luto penoso pela morte da minha mãe, o ser humano que mais amei em vida. A morte veio “coroar” um longo período de sofrimento e luta que enfrentamos, eu e toda a família, contra a dependência química dela em cocaína.

Precisava me agarrar em algo, alguma coisa que me preenchesse o tempo e a alma, algo que eu realmente pudesse colocar meu coração. Ao mesmo tempo, ter um tesão do tamanho do mundo, que fizesse com que eu sentisse de novo o prazer de viver. Era o surfe!

Começamos. A audiência crescia a passos lentos. Especialistas diziam que não daria certo. “Vai para o mercado de eventos”, “Faça parceria com marcas de bebidas”, “Faça vídeos, hoje ninguém mais gosta de ler”. Era desanimador.

Em agosto de 2016, três meses depois do primeiro post, tivemos uma boa notícia! O blog estava a mil! E foi assim até novembro, uma montanha-russa, oscilando entre parcos trezentos cliques até cinco mil acessos mensais.

Em novembro de 2017 o negócio mudou de figura. Falar sobre o suicídio do Jean da Silva Pahl , fez com que deixássemos de ser o “blog dos amigos”. De pouco mais de cinco mil acessos mensais fomos a cento e seis mil em menos de 24 horas.

Quando bateu os 25 mil a alegria virou pesadelo. Chegaram os haters, prontos pra acabar com a minha autoestima e me pôr em desespero! “Não, você entendeu errado!”. Teria eu que explicar um a um?! Desisti e jurei que não iria mais ler nada.

“Pegou carona na desgraça!” Alguém me acusou. Ah tá, então vai dizer que você inventa um blog sobre surfe, o Jean da Silva se mata e você vai fingir que está tudo bem. Sim, vai fazer a unha, uma faxina em casa, enrolar um baseado, porque tá tudo bem, né? #Sqn

Entre haters e lovers, foram mais de cem mil máquinas, espalhadas pelo mundo, interessadas em saber o que esse tal blog tinha a dizer sobre a tragédia, a imagem versus a essência do esporte. Tudo isso em menos de 24 horas.

Passado o susto, uma pergunta pairou no ar: agora vai?!

Foi!

Agradeço, constantemente, fazer parte dessa tribo (cheia de defeitos, é verdade), mas que eu amo e salvou minha vida. Parece piegas, mas é real, o surfe salva.

Para comemorar a mudança demos um upgrade no layout, mudamos um pouco nossa cara, mas o recheio continua o mesmo. Uma das principais preocupações foi com relação ao formato, a essência e ao propósito que fizeram com que o blog nascesse. Queríamos que o espírito fosse mantido.

Só uma coisa me incomoda um pouco até agora e espero que na Folha isso diminua um pouco. Sonho com uma participação maior dos leitores. Com a troca, opiniões, comentários e interação (que não seja apenas de haters, por favor, esses eu dispenso!!).

Por isso, deixo aqui meu apelo: dá um oi, me manda um e-mail, me conta como o surf transformou sua vida, ou ainda, se você apenas sonha um dia aprender?

Um beijo grande e até depois de amanhã (se não tiver onda 😉)