São anos de tentativa, lobby e negociações para transformar o surfe em um esporte Olímpico. Certamente, atletas, praticantes e admiradores do esporte veem a estreia da modalidade em Tóquio como um dos grandes marcos.

por Janaína Pedroso

Depois da contribuição do célebre Duke Kahanamoku, que apresentou o surfe para EUA e Austrália, transformando o esporte em algo mundial, os Jogos Olímpicos disputados em Tóquio podem ser, inegavelmente considerados algo realmente transformador para o surfe global.

No entanto, pairam dúvidas e muita expectativa sobre como será a estreia do surfe no Japão das Olimpíadas. 

Line up de Tsurigasaki, Japão. Tokyo 2020 / Shugo TAKEMI

Já se sabe que as condições não serão as mais desafiadoras, muito menos empolgantes. A praia de Tsurigasaki, está longe de oferecer ondas grandes, tubos profundos. Muito diferente do que é conhecido sobre o Taiti, a propósito.

Ontem, 03, o Comitê Olímpico Internacional (COI) confirmou que o surfe será apresentado nas aterrorizantes, porém perfeitas ondas de Teahupoo. Apesar da distância da sede, Paris, ter gerado certa polêmica, o que sobrou foi a certeza de que altas ondas não deverão faltar.

Nada de marola, o que ameaça é microscópico

Falta de onda, qualidade ruim, dificuldade na logística de transmissão, ficar a mercê da Natureza. Nada disso é mais problema. Antes da pandemia, que invadiu o mundo recentemente, essas pareciam ser as questões debatidas sobre a estreia do surfe nas Olimpíadas. Fatores que determinariam então o fracasso ou o sucesso do sonhado debute.

Entretanto, hoje sabe-se que a ameaça é algo jamais esperado. Um vírus propagado por algo microscópico, porém capaz de exterminar e deixar em pânico parte da humanidade?

O coronavírus não ameaça apenas as Olimpíadas de Tóquio e o bem-estar de centenas de milhares de humanos, mas a economia, as bolsas, as indústrias.

Porém, apesar de já ter havido eventos cancelados no Japão, como o adiamento do treino de voluntários dos Jogos, por exemplo, é prematuro dizer que o evento não ocorrerá. 

Por fim, vale lembrar que as Olimpíadas já ocorreram em situações mais ou igualmente preocupantes e ameaçadoras como guerras e atentados. Como bem lembrou a colunista Katia Rubio em excelente artigo publicado no último domingo (29).

Afinal, a estreia do surfe nas Olimpíadas estaria de fato ameaçada? Aguardemos.

Vila Olímpica de Tóquio. ©Tokyo 2020

Crédito foto de capa: ©Tokyo 2020