Para onde você vai quando tudo isso passar

Uma das lições mais significativas desse período de quarentena está relacionada à liberdade de ir e vir.

por Janaína Pedroso

Eu e minha liberdade na Praia do Forte. Foto Alexandra Iarussi.

Sem dúvida, uma enorme conquista, trunfo de sistemas e governos ditos liberais, agora é colocada em xeque por uma razão maior: a saúde mundial. Ou seja, esqueça sua liberdade e fique em casa!

E não é à toa que em sistemas considerados mais autoritários, e onde o  pensamento coletivo se sobrepõe às liberdades e desejos individuais, o isolamento social tenha dado mais certo. Ou melhor, a sociedade tenha respeitado melhor tais determinações.

Por aqui, no Brasil, em Ubatuba propriamente onde vivo, ainda me deparo com cenas preocupantes. Por mais que as veja através de uma tela de celular, já que não tenho saído de casa, me incomoda como falta senso coletivo às pessoas. 

Meu primeiro e único salto de paraquedas na ilha de Itaparica.

Essa pandemia, mais do que um risco à saúde física, tem imposto a mim a necessidade de praticar a empatia sem limites, para assim manter a sanidade mental. Sou empática a tal ponto de agradecer ao vizinho que grita às duas manhã: “vim prá cá espalhar coronavírus hahahaha, vamos surfar caralho!!”

Em contrapartida, praticar empatia neste caso não quer dizer que eu não sinta uma tremenda raiva de tamanha imbecilidade e falta de respeito. Então, respiro e digo a mim mesmo: vai passar!

Mas, sigo tentando fazer minha parte nesse rolê todo. Não me deslocar sem necessidade, praticar Ioga, cuidar da casa e achar alguma inspiração para escrever de surfe, mesmo estando sem surfar. 

Eu devo ir à Bahia

Não me recordo quando visitei a Bahia pela primeira vez na vida. Embora lembre que tenham sido lá, talvez os melhores e mais energizantes momentos da minha vida. 

Foi durante uma surf trip à Bahia que saltei de paraquedas da ilha de Itaparica, surfei altas ondas em Stella Maris, fiz rapel no morro da Mãe Inácio, amarelei para um salto de bungee jump de um balão em Lençóis. Tomei cachaça, dancei forró, vi um dos cenários mais deslumbrantes estando diante do Morro Pai Inácio, mergulhei no Poço Azul. 

Foi na Bahia que vi Silvana Lima ganhar uma etapa mundial da divisão de acesso (QS), rumando então à elite. Em Salvador, fiz wakeboard em companhia da estrela Ivete Sangalo. Na Bahia, comi a melhor comida da vida e conheci um dos povos mais atraentes do mundo. Surfei na Praia do Forte, fundo de pedra, coral e areia. Fui muito feliz na Bahia. E é pra lá que eu quero ir quando tudo isso acabar.

E você, para onde vai quando tudo isso passar?

Crédito da galeria: arquivo pessoal.

Autor: origemsurf

Compartilhe esse Post

28 Comentários

  1. Estimada Janaina.
    Gostei muito de ler sua narrativa.
    Esses tempos nos levam a fazer muitas reflexões. A sua parece um sonho, apesar de verdadeira, creio. Abençoado os leem.

    Poste um comentário
    • Meu amor acorda vc é uma haole vai contar suas histórias pra sua família desde quando ir pra Bahia e surf trip aquela marola velha mexida

      Poste um comentário
      • A Bahia tem um jeito… Seja bem vinda Janaína qdo vier, sou surfista TB de Stella Maris, muito legal sua narrativa de uma Paulista sobre essa terra mágica aqui. Axé

        Poste um comentário
      • Sabe nada daqui seu mané , aproveita esse tempo p introspecção, seu haole!

        Poste um comentário
    • O nome já diz surf trip vc acha que surf trip e tirar foto com baiana e comer acarajé e ver a Silvana Lima maroleira surfar em 0.5 metro mexido vai pra Indonésia depois me conta aí sim vc teria feito uma surf trip de verdade quem é surfista de verdade tá no mo veneno querendo surfar não fica nessa escrevendo texto com um monte de frases bonitas acorda gata sabe quale vc deve poder surfar só fim de semana então tá amarradona em ficar em SP capital

      Poste um comentário
    • Anderson mané, o típico Paulista idiota e bairrista, fica aí respirando seu ar puro

      Poste um comentário
    • Nao sei, mas pela primeira vez to ganhando dinheiro pra juntar pra uma viagem ❤

      Poste um comentário
      • Ahhh quando isso passar não posso mais esquecer de aproveitar à cidade onde moro, particularmente à praia onde moro, não posso esquecer também de surfar mesmo com o mar em condições + ou – , ir a cachoeira , fazer aquela trilha, rever e conhecer umas ilhas vizinhas, e por aí vai …. dar valor ao que se tem …. espero que está quarentena sirva para rever meus comportamentos e comprometimentos , são tantas coisas que tenho que fazer…

        Poste um comentário
  2. Vá pra Taipu de Fora e Barra Grande. Visite suas belíssimas praias e coma um crepe no Bem Dito Crepe, na Barra. Depois me fala!

    Poste um comentário
  3. Bom quando tudo acabar espero que a humanidade seja mais generoso,menos egoísta.e ajudar as pessoas que mais precisan.tenhan mais amor só próximo e serem mais sinceros e honestos temos que se unir parar com a covardia desejo muita paz e saúde pra todos

    Poste um comentário
  4. Ficarei na minha chácara mesmo. Adoro esse lugar!

    Poste um comentário
  5. Janaína, agradeço aos Orixás baixar na Terra pessoa capaz desse primor de reflexão. Faço minhas suas palavras! E é pra lá que eu vou!!!

    Poste um comentário
  6. Vamos a praia certeza! Aqui em Pernambuco o surf já tava comprometido por conta do óleo criminoso jogado na costa, a saudade do mar tá dobrada, dias melhores!

    Poste um comentário
    • Vou sair correndo Nu pela praia e sair bolando com meu bilau todo sujo de areia, como uma linguiça empanada

      Poste um comentário
  7. Viajar? não posso me dar esse luxo de vocês, vou é trabalhar muito para pagar todas as contas atrasadas de todo esse tempo sem trabalhar e consequentemente não receber, viagem é para os poucos sortudos, como os demagogos e hipócritas que que trabalham na folha dizendo para ninguém ir trabalhar, ou para quem já não precisava trabalhar, claro, nenhum dos dois é meu caso!

    Poste um comentário
  8. Quando td isso acabar….Espero q as pessoas comecem indo pra um lugar só. O lugar de cuidar da terra com mais amor e cuidado. Descartar menos lixo, consumir menos, se achar melhor q o proximo, ser bom com os animais q nos trazem só amor e enxergar que o bom da vida realmente está nas coisas simples q a natureza traz. Beijinho.

    Poste um comentário
  9. Infelizmente a falta de consciência reina aqui em Ubatuba, mas o importante é manter a tranquilidade de que estamos fazendo nossa parte nesse pandemônio todo. Queria muito cair fora, ir pra Recife matar a saudade, comer de tudo, tocar tambor… mas não será possível, terei que trabalhar e muito pra pagar os atrasados (que serão muitos) e tentar normalizar a vida na medida do possível. Viagem não é uma opção pra quem não tem renda fixa 🙁

    Poste um comentário
    • Boa tarde, quando isso tudo passar não vou lugar algum pelo contrário vou ter que correr mais atrás ainda porque dinheiro não caí do céu. Infelizmente a quarentena realmente me atrasou. Mas estou satisfeito por não acontecer o pior. Aloha

      Poste um comentário
    • Ygor! Obrigada pela lembrança, é isso mesmo! Uma família de skydiver´s não é?! Que volta ao tempo! Se eu te contar que nesse voo abrimos o paraquedas reserva, você acredita?! Paulinho foi muito mestre e com muita calma desconectou o principal e acionou o reserva, chegamos ao solo salvos e muuuuito ‘adrenados’! Se o vir, mande um enorme abraço! Obrigada pela mensagem!!

      Poste um comentário
  10. Excelente texto. É um misto de reflexão e relatos de experiências vividas adornadas por vontade de viver novamente ou simplesmente preservar a expectativa que mantém viva a esperança no amanhã. Eu irei a Toronto. E você, vem comigo? A gente se encontra no amanhã muito melhor e mais radiante onde o amor transborda e a vida aproxima tudo a começar pelos pequenos: eu, tu, você é formaremos o novo NÓS para seguir.

    Poste um comentário
  11. Morro da “Mãe Inácio” essa foi boa kkkkk eu só conheço o morro do Pai Inácio. Deve ter da família toda kkkkkkkkk.
    Bom, eu estou na Bahia nessa quarentena, e quando acabar quero seguir pro RN

    Poste um comentário

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *