‘Nunca imaginei ter um programa só meu’, diz Italo sobre estreia como protagonista

Italo Ferreira, atual campeão mundial, se prepara para a estreia de “Parque do Italo”. Exibido pelo Canal OFF, o primeiro episódio vai ao ar nesta quarta-feira, dia 17, às 21h30, com produção da Costa Blanca Films.

por Janaína Pedroso

Spoiler à vista

Italo em cena de “Parque do Italo”. Foto Canal OFF/Costa Blanca Films.

No primeiro episódio de cerca de 23 minutos, é possível conferir um Italo totalmente à vontade, brincalhão e extrovertido. Apesar de o surfista se considerar tímido, ele assume que a presença da namorada e dos amigos durante a gravação, o ajudaram a encarar as câmeras de forma espontânea. 

“Era muito tímido, não sou mais”, confessa o campeão.

Além de abandonar a timidez, Italo acredita que outras coisas mudaram com o título, principalmente em relação à pressão emocional que sentia antes da conquista.

“Hoje consigo controlar um pouco minha ansiedade. Depois do título, deu tranquilidade, estou mais leve”, diz ele durante coletiva de imprensa virtual realizada hoje (15).

Evoluir sem perder as raízes

Mas se de um lado é possível ver um Italo mais centrado emocionalmente, de outro nota-se o mesmo garoto humilde, crescido em Baía Formosa (RN), e que aprendeu a surfar em tampas de isopor. O apetrecho vinha da peixaria do pai, sustento da família.

Nesse primeiro capítulo de “Parque do Italo”, a tal tampa de isopor vem à cena e ganha um toque especial do shaper local Eduardo Jorge. A sessão de Italo com a recriação do objeto compõe uma das poucas sessões de surfe neste primeiro capítulo da série.

Porém, os fãs e espectadores que esperam por mais surfe podem ficar tranquilos, já que Italo garante que tem muita coisa por vir. 

“Nesse episódio tem pouco surfe, é verdade, mas para os próximos tenho algumas sessões sinistras de surfe”, avisa o surfista que gravou o programa antes da Pandemia.

“Hoje consigo controlar um pouco minha ansiedade”. Foto Canal OFF/Costa Blanca Films.

A falta de um bom abraço

Quando perguntado sobre o que será mais difícil de encarar após esse período de pandemia, Italo fala sobre afeto.

“Abraçar as pessoas está fazendo muita falta. E isso vai ser difícil de fazer depois também, acho que a gente vai estar com medo”. 

Ainda sobre as incertezas que rondam o cenário atual, o surfista falou sobre a dificuldade que seria um possível retorno ao tour mundial. 

“O ano foi perdido. Para nós brasileiros, por exemplo, que estamos proibidos de entrar nos Estados Unidos, fica inviável. E não tem como realizar várias etapas em um lugar só”, diz Italo.

Não foram só abraços que foram barrados diante da Covid-19, mas a chance de conquistar o ouro olímpico. De acordo com o atual campeão mundial seu maior sonho está adiado, mas continua latente. 

Ferreira acredita que seu maior rival na conquista do ouro seja Gabriel Medina, e que lida bem com a torcida organizada do oponente, especialmente nas redes sociais. “Não entro em discussões, evito ao máximo dar atenção à qualquer tipo de ofensa”, diz.

Melhor e pior de “Parque do Italo”

A relação com amigos e família, o jeitão de menino e os bastidores da sua rotina em Baía Formosa são, de fato, o ponto alto do primeiro episódio do programa.

Se é possível achar um defeito, diria que a ausência de uma boa trilha sonora com músicas brasileiras e por que não regionais, do norte e nordeste, fez falta e enriqueceriam demais a trama.

Assista ao teaser de “Parque do Italo”

Além da estreia, o Canal OFF no Instagram, promove um ‘OFF Talks digital’, com o surfista, às 20h30, de quarta-feira,17, com fotos inéditas e trechos do programa. O aplicativo do canal também mostra um resumo dos episódios que irão ao ar na TV. 

Serviço:

Parque do Italo

Estreia: Quarta-feira, dia 17, às 21h30

Horários alternativos: Quinta, 9h30 / Sexta, 7h30 / Segunda, 15h30 / Terça, 12h30

Autor: origemsurf

Compartilhe esse Post

2 Comentários

  1. Muito bom campeão, parabéns pelo programa, mas tenho uma observação, aquela balada com o carro gaiola usado nas dunas não caiu muito bem, entendo que no nordeste tem essa cultura, mas achei meio impactante no ambiente, para um surfista profissional não achei bom não, mas sei que vcs vão se encher de razão e de argumentos para defender o que já foi feito, mas como disse, já foi feito né, tem coisa melhor pra mostrar

    Poste um comentário

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *